CISCO: 5 tendências de rede para 2020

As tendências para 2020 incluem SD-WAN, Wi-Fi 6, controle de multi-domínio, redes virtuais e o papel do engenheiro de rede como um programador. De acordo com a Cisco, esteas são as 5 tendências de rede para o próximo ano.

“Elas giram em torno da forma mutável da rede – a ampliação das operações do data center na nuvem e as implicações dessa mudança”. Anand Oswal, vice-presidente sênior de engenharia da empresa Enterprise Networking Business da Cisco.

“Essas mudanças fundamentais no local em que os processos de negócios são executados e como eles são acessados ​​estão mudando a maneira como conectamos nossos locais, como pensamos em segurança, economia das redes e o que pedimos às pessoas que cuidam deles”. Disse Oswal.

No blog que descreve as principais tendências para 2020, Oswal detalhou seus pensamentos sobre as cinco áreas.

Wi-Fi 6 e 5G

Primeiro, a tecnologia sem fio – especialmente o Wi-Fi 6 – entra na empresa através do funcionário e por atualizações do ponto de acesso da empresa. Os novos smartphones da Apple, Samsung e outros têm Wi-Fi 6 e os pontos de acesso são enviados para empresas e consumidores.

Os telefones 5G ainda não estão em ampla circulação, isso mudará em 2020, principalmente para os consumidores até o final do ano. Oswal escreveu que a Cisco projeta que mais pessoas usarão Wi-Fi 6 que 5G até 2020.

2020 também verá o início de uma grande melhoria na forma como as pessoas usam as redes Wi-Fi. O potencial crescimento do projeto OpenRoaming da Cisco, facilitará muito a junção das redes Wi-Fi participantes, disse Oswal. O OpenRoaming, que usa a tecnologia subjacente ao HotSpot 2.0/IEEE 802.11u, promete permitir que os usuários se movam sem problemas entre redes sem fio e LTE sem interrupção – emulando a conectividade de rede móvel. Os parceiros atuais do projeto incluem a Samsung, Boingo e GlobalReach Technologies.

O novo ano também verá a adoção de mais bandas de frequência, incluindo lançamento do espectro de “ondas milimétricas” (24Ghz a 100Ghz) para 5G ultra-rápido, mas de curto alcance, bem como o Citizens Broadband Radio Service (CBRS), em cerca de 3.5Ghz. Isso pode levar a novas redes privadas que usam a tecnologia LTE e 5G, especialmente para aplicativos de IoT.

“Também veremos progresso contínuo na abertura da faixa de 6 GHz para o uso de Wi-Fi sem licença nos Estados Unidos e no resto do mundo”, escreveu Oswal.

Quanto aos serviços 5G, alguns serão lançados em 2020, mas “quase nenhum deles terá a conectividade de velocidade ultra-alta que nos foi prometida ou que veremos nos próximos anos”, disse Oswal. “Com o 5G incapaz de cumprir essa promessa inicialmente, veremos muito tráfego sem fio de alta velocidade transferido para redes Wi-Fi”.

A longo prazo, “em combinação com o aprimoramento do desempenho do Wi-Fi 6 e (eventualmente) do 5G, passamos por um grande e longo período de inovação em redes de acesso”, escreveu Oswal.

É um mundo de SD-WAN

“Estamos vendo uma tonelada de impulso na área de SD-WAN, pois um grande número de empresas precisa de acesso seguro a aplicativos em nuvem”, disse Oswal. A dispersão da conectividade – o crescimento da rede multicloud – forçará muitas empresas a reformular suas redes em favor da tecnologia SD-WAN, disse ele.

“Enquanto isso, os grandes provedores de serviços em nuvem, como Amazon, Google e Microsoft, estão se conectando a empresas de rede – como a Cisco – para criar parcerias fortes entre pilhas e serviços de rede”, escreveu Oswal.

Oswal disse que espera que essas parcerias só se aprofundem no próximo ano, e isso vai de acordo com a análise recente do Gartner.

“A SD-WAN está substituindo o roteamento e adicionando seleção de caminho com reconhecimento de aplicativo entre vários links, orquestração centralizada e segurança nativa, além de outras funções. Consequentemente, isto inclui fornecedores históricos e emergentes de vários mercados (roteamento, segurança, otimização de WAN e SD-WAN), cada um trazendo seus próprios diferenciais e limitações ”, escreveu o Gartner em um relatório recente.

Além disso, Oswal disse que a tecnologia SD-WAN vai liderar um crescimento nos negócios para provedores de serviços gerenciados (MSPs), muitos dos quais começarão a oferecer SD-WAN como um serviço.

“Esperamos que os MSPs cresçam aproximadamente o dobro da taxa do próprio mercado de SD-WAN e esperamos que os MSPs comecem a se especializar, por setor e tamanho de rede”, escreveu Oswal.

Redes multi-domínios com tudo incluso

No mundo da Cisco, a mistura de domínios tipicamente isolados na empresa e na nuvem para uma rede de área ampla está ficando mais fácil, e Oswal diz que continuará em 2020. A ideia é que seus principais componentes de software – Infraestrutura Centrada em Aplicação (ACI) e DNA Centro – agora permite o que a Cisco chama de integração de vários domínios, que possibilita aos clientes definir políticas para aplicar controles de acesso uniformes a usuários, dispositivos e aplicativos, independentemente de onde eles se conectem à rede.

O ACI é o pacote de data center da Cisco, definido por software (SDN), mas também fornece a tecnologia de rede baseada em intenções da empresa, que oferece aos clientes a capacidade de implementar automaticamente mudanças de rede e políticas em tempo real e garantir a entrega de dados.

O DNA Center é um pacote importante, pois apresenta recursos de automação, configuração de garantia, provisionamento de malha e segmentação baseada em políticas para redes corporativas. O Cisco DNA Center oferece às equipes de TI a capacidade de controlar o acesso por meio de políticas usando acesso definido por software (SD-Access), provisionar automaticamente por meio do Cisco DNA Automation, virtualizar dispositivos por meio da virtualização de funções de rede da Cisco (NFV) e reduzir riscos de segurança por meio de segmentação e análise de tráfego criptografado.

“Para melhor gerenciamento, agilidade e principalmente segurança, esses vários domínios precisam trabalhar juntos”, escreveu Oswal. “O controlador de cada domínio precisa trabalhar de maneira coordenada para permitir automação, análise e segurança nos vários domínios”.

A próxima geração de arquiteturas de controller-first para malhas de rede permite o gerenciamento unificado de sistemas largamente acoplados usando APIs e estruturas de dados definidas para comunicação entre dispositivos e entre domínios, escreveu Oswal. “O modelo de rede que as empresas começaram a adotar em 2019 está tornando o gerenciamento de rede mais simples, absorvendo as complexidades da rede”, escreveu.

A rede como sensor

A noção de que a rede está sendo usada para algo mais importante do que velocidades e feeds tem sido discutida há algum tempo, mas a ideia pode estar voltando para casa no ano que vem.

“Com um software capaz de criar um perfil e classificar os dispositivos, pontos finais e aplicativos – mesmo quando eles estão enviando dados totalmente criptografados – a rede poderá colocar os dispositivos em redes virtuais automaticamente, habilitar o conjunto de regras correto para proteger aqueles dispositivos e, eventualmente, identificam problemas de segurança extremamente rápido ”, escreveu Oswal.

“Em última análise, os sistemas poderão corrigir os problemas por conta própria ou, pelo menos, arquivar seus próprios tickets de suporte técnico. Isso se torna cada vez mais importante à medida que as redes se tornam mais e mais complexas. ”

Oswal disse que essa inteligência pode ser útil em redes sem fio, onde a rede consegue coletar dados sobre como as pessoas e as coisas se movem e usam espaços físicos, como dispositivos IoT em empresas ou dispositivos médicos em um hospital.

“Esses dados podem ajudar diretamente os proprietários das instalações a otimizar seus espaços físicos, para produtividade, facilidade de navegação ou até para melhorar as vendas no varejo”, diz Oswal. “Esses são os recursos que estão sendo implementados em 2019, mas à medida que os executivos de negócios se conscientizam do poder desses dados de localização, o uso dessa tecnologia começará a aumentar vertiginosamente”.

A mudança de carreira de engenheiro de rede

O crescente ambiente de rede orientado a software está mudando os requisitos de currículo do profissional de rede. “A maneira padrão como as operadoras de rede trabalham – provisionando equipamentos de rede usando interfaces de linha de comando como CLI – está chegando ao fim”, escreveu Oswal. “Hoje, a rede nos permite dizer o que queremos que ela faça e deixar a configuração individual do dispositivo para o próprio sistema maior”.

Oswal disse que os clientes agora podem programar atualizações, lançamentos e alterações usando controladores de rede centralizados, em vez de trabalhar diretamente com dispositivos ou com suas próprias interfaces exclusivas.

“Novas redes executadas por APIs exigem habilidades de programação para serem gerenciadas”, escreveu Oswal. “O código é o recurso por trás da criação de novas soluções de negócios. Ainda é fundamental que os indivíduos validem sua proficiência com os novos conceitos de infraestrutura e engenharia de rede”.

Oswal observou que não será uma mudança fácil, porque treinar indivíduos ou equipes inteiras pode ser caro, e nem todos se adaptarão à nova demanda.

“Para aqueles que conseguem, os benefícios são grandes”, disse Oswal. “Os operadores de rede estarão mais próximos das empresas em que trabalham, capazes de ajudar melhor as empresas a alcançar suas transformações digitais. A velocidade e a agilidade que elas ganham graças ao fato de terem uma rede programável, além de telemetria e análise, abrem novas e vastas oportunidades”.

Este ano, a Cisco reformulou algumas de suas ferramentas mais importantes de certificação e desenvolvimento de carreira, em um esforço para abordar o ambiente de rede emergente orientado a software. Talvez uma das maiores adições seja o novo conjunto de certificações profissionais para desenvolvedores que utilizam a crescente comunidade de desenvolvedores DevNet da Cisco.

As certificações Cisco Certified DevNet Associate, Specialist e Professional cobrirão o desenvolvimento de software para aplicativos, automação, DevOps, nuvem e Internet das Coisas. Eles também terão como alvo desenvolvedores de software e engenheiros de rede que desenvolvem proficiência em software para desenvolver aplicativos e fluxos de trabalho automatizados para redes e infraestrutura operacionais.

Traduzido e adaptado de IT World. Cisco: 5 hot networking trends for 2020. COONEY, Michael. Disponível em: <https://www.itworld.com/article/3505883/cisco-5-hot-networking-trends-for-2020.html>. Acesso em: 26 dez. 2019.

Gostou deste artigo? Veja também “Cisco adquire Exablaze“.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *