O Problema com “Nativo da Nuvem”


A tecnologia em nuvem dá acesso a quantidades quase inimagináveis ​​de computação e poderosas ferramentas de software a baixo custo. Ela está no centro de um boom econômico e tecnológico chamado “A Segunda Era da Máquina”, com um impacto semelhante ao da Revolução Industrial. O Fórum Econômico Mundial também a denomina de “Quarta Revolução Industrial”.

O problema é pensar sobre isso e criar um entendimento comum em torno de uma mudança tão grande. Durante anos, muitas pessoas pensaram que a tecnologia da nuvem fazia parte da própria atmosfera, sem entender absolutamente nada de seu funcionamento. Na realidade, poucas coisas são físicas de verdade: grandes fornecedores de computação em nuvem pública como a Amazon Web Services, Microsoft Azure e a Google Cloud operam sistemas de abrangência mundial, com milhões de servidores conectados por centenas de milhares de quilômetros de cabos de fibra óptica .

A maioria das pessoas agora conhece o básico da computação em nuvem, mas entendê-la continua sendo um problema. Pegue um termo popular atual como “nativo da nuvem” (cloud native). Os analistas de sistemas o utilizam para descrever estratégias, pessoas, equipes e empresas que “adquirem” a nuvem e a usam para obter o máximo de utilidade. Outros usam o termo para descrever uma abordagem de criar, implantar e gerenciar coisas em um ambiente de computação em nuvem. As pessoas diferem.

Seja se referindo a pessoas ou software, “nativo da nuvem” é um sinônimo de operar com todo o poder que a nuvem oferece. Isto significa criar, implementar e gerenciar software que possa ser reconfigurado de forma eficaz e rápida conforme a situação se altere. Significa estar habilitado para identificar estas alterações, gerenciar em escala e ser flexível o suficiente para atender às novas necessidades sem uma grande revisão de todo o sistema.

Michael Chui, sócio do McKinsey Global Institute que estuda TI, vê o ambiente de negócios nativos da nuvem apresentando um resultado diferente. “O ritmo e a velocidade mudam”, diz ele. “Você paga apenas pelas coisas que deseja, o que une mais o retorno do investimento [às necessidades dos negócios], criando a oportunidade de transferir recursos da gestão de infraestrutura para a inovação dos negócios”.

De início, “nativo da nuvem” pode ser um adendo útil para ajudar as empresas a pensar em inovar para obter o máximo de vantagem. Muitas vezes, porém, o termo cria mal-entendidos e exclusão. “Nativo” conota uma diferença duradoura do que nasceu em outro lugar. De fato, muitos códigos de software mais antigos podem funcionar bem dentro de sistemas em nuvem, principalmente se forem tratados com tecnologias como contêineres de software que permitem flexibilidade e rápida reconfiguração. Ele também sugere que as empresas e pessoas que estavam ativas antes da computação em nuvem entrarem em cena estão, de alguma forma, em desvantagem ou (para permanecer na linguagem de “nativo”) jamais dominarão completamente o novo idioma.

Em um relatório recente, o Gartner observou que “nativo da nuvem já é particularmente desafiador devido a esses significados muito diferentes em uso”. O mesmo relatório afirma que: “para alcançar todos os resultados e benefícios da nuvem, você deve operar de maneira nativa da nuvem”. Isso significa operar usando um processo operacional de autoatendimento, dinâmico, adaptável e elástico, de acordo com os recursos de um verdadeiro serviço nativo da nuvem. Quando operações nativas da nuvem são combinadas com implementações nativas da nuvem, é mais provável que as organizações reconheçam todos os benefícios da nuvem”. É bem pensado, mas pode levantar objeções sobre o que é um serviço “verdadeiro”.

Talvez seja melhor começar com alguns resultados. A nuvem está por trás do surgimento de empresas mais recentes de compartilhamento de viagens, aplicativos para smartphones, bancos virtuais e muitos outros serviços que ajudam a criar negócios, unindo de forma inteligente tecnologias de localização, redes sociais, pagamentos móveis e até inteligência artificial sem grandes gastos de capital.

Também está por trás de como empresas como a Sandvik, fabricante sueca de sistemas de ferramentas de 157 anos, estão repensando seus negócios de US $ 500 bilhões anuais em modelagem de metais. Ao otimizar seus sistemas antigos para a nuvem, a Sandvik acelerou o tempo necessário para programar uma de suas máquinas em dezenove vezes, aumentando a produtividade em 20%. Para Anders Lindh, presidente da Applied Manufacturing Technologies, a questão não é nova vs. antiga, ou nativa vs. estrangeira, mas colocar o máximo de esforço no que sua empresa faz de melhor. “Toda a empresa tem um conhecimento central que é realmente valioso”, diz ele, “podemos codificá-lo, estruturá-lo e distribuí-lo. Dessa forma, criamos muito novo valor para o cliente e um novo modelo de negócios para nós mesmos”.

Talvez um termo como “otimizado para nuvem” seja a melhor maneira de expressar o que estamos falando quando dizemos “nativo da nuvem”, mas é difícil mudar a terminologia. Provavelmente, muito do modo como falamos sobre a computação em nuvem muda à medida que a tecnologia desaparece em sua onipresença – a maneira como as pessoas costumavam falar sobre “carruagens sem cavalos” sobre carros ou “telefones sem fio” para conectividade portátil. Podemos até ver a terminologia “nuvem” desaparecer completamente – tornando-se apenas “computação”.

Esse é o tipo de mudança de pensamento que vem com a familiaridade. Com o objetivo de explorar novas maneiras (e mais eficazes) de criar produtos, interagir com o público e aprender sobre o mundo – formas pelas quais a revolução da nuvem cria novas oportunidades.

Traduzido e adaptado de Forbes. The Problem with “Cloud Native”. HARDY, Quentin. Disponível em: <https://www.forbes.com/sites/googlecloud/2019/09/19/the-problem-with-cloud-native/#4565b54e2d5f>. Acesso em: 24 Set. 2019.

1 comentário Adicione o seu

  1. Call Center Software disse:

    very interesting , good job and thanks for sharing such a good blog. Thanks & Regards,
    From Call Center Software.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *