Discada à 5G: história da Internet

O mundo não seria o que se tornou hoje sem a Internet. Ela abrange quase todos os aspectos – de como vivemos, trabalhamos, socializamos, compramos e nos divertimos. Mas o acesso à Internet é um fenômeno recente que reformulou o mundo em um período incrivelmente curto de tempo. Em algumas décadas, a Internet passou de uma nova maneira dos militares dos EUA manterem contato a manter conectados a raça humana. A cada ano que passa, mais e mais pessoas obtêm acesso à Internet – eis como elas se logaram: da discada à 5G: história da Internet.

Os primeiros dias

A Internet tem suas raízes em um projeto do departamento de defesa dos EUA da década de 1960. Nascido da Guerra Fria, e no desejo de que as forças armadas se comunicassem através de uma rede conectada e distribuída. O braço de pesquisa das forças armadas, a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada (ARPA), começou a trabalhar em um projeto de comunicação. Isto levou à criação do ARPANET, uma das primeiras iterações de computadores conversando em rede. A ARPANET acabou conectando instalações militares, contratando terceirizados e um punhado de universidades nos EUA. Em meados da década de 1970, a ARPANET havia se conectado ao NORSAR, sistema norueguês-americano. Este sistema fora projetado para monitorar a atividade sísmica de terremotos ou explosões nucleares via satélite. O sistema norueguês se conectou a computadores em Londres e, eventualmente, a outras partes da Europa também.

Valores e tamanhos

Os computadores usados ​​para conectar esta rede nascente eram gigantescos para os padrões de hoje. O SDS Sigma 7 custava US$ 700.000 em meados da década de 1960. Este valor equivale hoje a US$ 4,8 milhões em dólares. O Sigma foi usado pela Universidade da Califórnia para enviar a primeira mensagem da ARPANET à Universidade de Stanford. A SDS, ou Scientific Data Systems, uma empresa americana de computadores, formada por ex-alunos da Packard Bell, construiu o primeiro computador conectado à rede.

A máquina, como as demais que ajudaram as primeiras pessoas a pousar na Lua, não era como o computador que conhecemos hoje. Ela ocupava uma grande parte da sala em que estava e consistia em uma série de armários com bobinas, fitas, botões piscando e interruptores. Havia uma pequena estação com teclado e monitor muito básico, mas muitos dados da máquina seriam armazenados em cartões perfurados. A primeira mensagem enviada foi a palavra “lo”; os pesquisadores estavam tentando digitar a palavra “login” e o sistema travou após duas letras. (Lembre-se disso na próxima vez que o Facebook ficar inativo por alguns minutos).

Aluguéis e a ARPANET

Inicialmente, esses sistemas usavam IMPs (Interface Message Processors), que eram computadores projetados para organizar e receber os dados que entravam e saiam da rede. Essencialmente, elas foram as versões mais antigas de um roteador moderno. A ARPANET dependia de linhas telefônicas alugadas, assim como a Internet comercial nos anos seguintes. Na mesma época, o cientista da computação Ray Tomlinson, trabalhando na empresa de pesquisa Bolt, Beranek e Newman*, criou a versão original do e-mail; o então professor de Stanford e futuro “pai da internet” Vint Cerf cunhou o termo “Internet” para falar sobre essa crescente rede de computadores interconectados.

Nos anos 80, uma concessão da National Science Foundation dos EUA permitiu que universidades menores se conectassem à ARPANET. Seu objetivo era compartilhar informações com aqueles que não podiam se conectar diretamente à rede. No final da década de 1980, escolas em cerca de 25 países haviam se conectado à ela. Em 1983, as forças armadas dos EUA receberam sua própria ramificação da ARPANET, chamada MILNET. Esta rede servia para comunicações seguras, permitindo que outras pesquisas e comunicações fossem realizadas na ARPANET.

*Empresas agora parte da Raytheon.

Discada

Os primeiros dias da Internet do consumidor comum foram trilhados por uma série de assobios e bipes digitais.

Conforme protocolos e tecnologias iam sendo padronizados, entre os anos 80 e 90, universidades, empresas e até pessoas comuns começaram a se conectar. Mas antes da invenção da World Wide Web, realizar qualquer coisa era uma tarefa árdua. Era difícil procurar informações na internet e seu conteúdo era quase impossivelmente denso. “A Internet pré-Web era um mundo quase inteiramente baseado em texto”, disse Steven J. Vaughan-Nichols, editor do ZDNet, no 20º aniversário do site em 2011. “Se isso faz a pré-Web parecer um lugar apenas para dar boas-vindas aos técnicos daqueles dias, você está certo, foi isso mesmo”.

Poderíamos não ter ido além no início dos anos 90, não fosse Tim Berners-Lee, que procurava uma maneira mais fácil de encontrar e compartilhar pesquisas. Berners-Lee, que em 1989 era pesquisador do CERN, surgiu com o conceito de World Wide Web. A WWW era um repositório descentralizado de informações, vinculado e compartilhável com qualquer pessoa que pudesse se conectar a ele. Ele construiu a primeira página da Web em 1993. Vendo o valor daquilo que Lee e sua equipe criaram, o CERN abriu o software ao domínio público. Isto significa que qualquer pessoa poderia usá-lo e desenvolvê-lo também.

Berners-Lee ainda criou o primeiro navegador de sites (inicialmente chamado WorldWideWeb e depois renomeado para Nexus). Mas só quando uma equipe de ex-alunos da Universidade de Illinois, criou o navegador Mosaic em 1993 que a web começou a decolar. Marc Andreessen e sua equipe deixaram as instalações de pesquisa da universidade para iniciar a Netscape. Ela foi a empresa que produziu o primeiro navegador da web que muitas pessoas já usaram: o Netscape Navigator.

Discada à 5g: história da Internet. Navegador Netscape, um dos primeiros desenvolvidos na Web.

Fonte: https://www.w3.org/History/1994/WWW/Journals/CACM/screensnap2_24c.gif 

Netscape e IE

Em meados da década de 90, a Netscape representava cerca de 80% do mercado de navegadores nos EUA e na Europa. Seu único concorrente real era o Internet Explorer, da Microsoft, lançado pela primeira vez com o Windows 95. Porém, a Microsoft conseguiu iterar seu software mais rapidamente conforme a Web mudava, implementando novas tecnologias como CSS antes que o Netscape pudesse. (O domínio da Microsoft permaneceu praticamente sem concorrência até o início da Web para dispositivos móveis, mas veremos mais a respeito disso posteriormente).

Na época, os serviços de internet, especialmente nos EUA, começaram a se tornar mais acessíveis financeiramente. O primeiro modem telefônico foi inventado em 1958 pela Bell, ele poderia enviar dados para outros dispositivos da mesma marca. Porém, o primeiro modem projetado para uso com um PC só chegou em 1977. Foi apenas a partir de 1996 que obtivemos o 56k modem, que permite aos internautas navegar na web a 56.000 bits por segundo. Hoje podemos baixar um arquivo de 1 GB em 32 segundos, comparado com a média de 3,5 dias que seria necessário nos de 56k.

Provedores de serviços de Internet como America Online, Prodigy, Earthlink e CompuServe dominaram os primeiros acessos nos EUA. Os assinantes quase sempre dependiam de sua linha telefônica pré-existente para se conectarem à Internet. Isto significava que ninguém poderia usá-la enquanto alguém estivesse na Internet. Todos os que se conectaram até os anos 2000 provavelmente sabiam do horror que era o som da conexão discada do modem.

Banda larga

Em algum momento de 2004, pela primeira vez na história, havia mais pessoas nos EUA que tinham acesso à Internet de banda larga do que discada, de acordo com o Pew Research Center. O preço das conexões de banda larga começou a cair à medida que mais usuários se inscreveram. Os modems de banda larga agem de maneira um pouco diferente dos antecessores de discagem, pois não precisam conectar pela linha telefônica para o provedor de serviços de Internet estabelecer uma conexão – eles permanecem conectados a menos que estejam desligados. Atualmente, nos EUA, a maioria das conexões de banda larga chega às residências pelas mesmas conexões usadas na TV a cabo e não costuma exigir acesso a uma linha telefônica para se conectar.

Juntamente com o advento do Wi-Fi, a banda larga revolucionou a maneira como as pessoas se conectam à Internet. Antes do Wi-Fi e da banda larga, acessar a Internet era uma experiência muito estática e lenta, exigindo que alguém se sentasse na frente de um grande computador, fisicamente conectado a um modem, para acessar a web. Mas quando o Wi-Fi começou a ganhar popularidade, tornou a internet acessível onde quer que alguém tivesse um laptop, tablet ou Palm Pilot e conexão Wi-Fi. As versões mais antigas do Wi-Fi foram implementadas em meados da década de 1990, mas não foi até a Apple incluir a tecnologia no laptop iBook em 1999, bem como em outros modelos no início dos anos 2000, que isso realmente começou.

Padrão de velocidade

As velocidades de banda larga são geralmente mais rápidas que o acesso discado. Nos EUA, a Federal Communications Commission (FCC) considera uma conexão de banda larga – pelo menos para uma linha fixa, em vez de uma conexão celular – alguma que possa atingir velocidades de 25 Mbps para downloads e 3 Mbps para uploads. Isso certamente pode mudar no futuro – a definição mudou no passado – mas, por enquanto, retrata com precisão o que a maior parte do país tem acesso.

Velocidade que trouxe mudanças

Essas velocidades ajudaram a tornar a Internet o que ela se tornou: nos primeiros anos da web, o carregamento de páginas, mesmo com gráficos simples, podia levar vários minutos. Com velocidades mais altas, os sites podem carregar mais rapidamente e os desenvolvedores podem adicionar mais conteúdo a eles, sem medo de travar os computadores de seus usuários. Até o streaming de vídeos se tornou possível; O YouTube, por exemplo, foi lançado em 2005. Os sites evoluíram de destinos simples para lugares interativos onde as pessoas podem comprar coisas e se comunicar em tempo real.

Dito isto, ainda existem cerca de 19 milhões de pessoas nos EUA que não têm acesso à Internet, e aproximadamente 43% da população do mundo também não tem acesso. Mas existem muitos esforços para levá-la àqueles em que as conexões fixas são difíceis de implementar. As empresas de cabo estão usando frequências de rádio de transmissão antigas para fornecer Internet de alta velocidade, e balões de ar autônomos podem transmitir a Internet até para os locais mais remotos. À medida que o acesso à tecnologia sem fio acessível se amplia, e nosso conceito de Internet continua mudando, é provável que o número de pessoas que não está online caia rapidamente na próxima década.

Dados de celular

Se você pensou que o advento da banda larga e da Internet, como a conhecemos hoje, veio rapidamente, será surpreendido pelo que acontecerá nos próximos anos.

A banda larga móvel – conectar-se à Internet através de um telefone celular – explodiu em popularidade nos últimos cinco anos. No final de 2013, havia cerca de 1,9 bilhões de assinaturas de smartphones no mundo e, no final de 2018, havia cerca de 5,3 bilhões – isso representa um salto de cerca de 180% em cinco anos.

Os smartphones estão ficando mais baratos – o preço médio global de um telefone é de cerca de US$ 368, mas existem dezenas de smartphones que farão o trabalho por menos de US$ 50 – e o acesso está melhorando a cada dia.

Está muito longe das primeiras iterações da Internet móvel, como WAP (Wireless Application Protocol). Introduzido em 1999 e visto em telefones como o Nokia 7110 (que muitos associam de forma incorreta como sendo apresentado no filme Matrix), o WAP era como a conexão discada precoce da Internet móvel. Você pode olhar para páginas rudimentares da internet, para verificar coisas como resultados de esportes ou manchetes de notícias. Mas se aprofundar na Internet provavelmente torraria qualquer plano de dados muito caro que você tivesse na época.

G3 e a revolução móvel

O primeiro padrão de dados móveis verdadeiramente útil foi o 3G em 2003, quando a tecnologia de rádio permitiu que mais do que chamadas e textos fossem enviados pelo ar. (No mundo ocidental, em 2019, geralmente é o tipo de conexão ao qual seu smartphone volta quando não consegue se conectar ao LTE; em outros países, o 3G ainda é o padrão).

A web móvel realmente decolou com o iPhone e todos os dispositivos que pretendiam imitá-lo. Ao apresentar o iPhone, o fundador da Apple, Steve Jobs, disse que estava assumindo o papel de três dispositivos ao mesmo tempo: “É um iPod, um telefone e um comunicador da Internet”.

O iPhone foi lançado pela primeira vez em 2007 (embora um modelo 3G não tenha sido introduzido até 2008). Na última década, a Apple vendeu mais de 1 bilhão de iPhones e estimulou concorrentes como o Google, cujo sistema operacional Android agora está instalado em mais de 2 bilhões de dispositivos. De repente, um dispositivo que caiba na palma da sua mão pode acessar a Web (mais ou menos) da mesma maneira que um laptop. A web para dispositivos móveis criou uma economia totalmente nova – a Apple estima que os desenvolvedores geraram US$ 120 bilhões em receita com aplicativos desenvolvidos para iPhone e iPad desde que a App Store da Apple foi lançada em 2008. Além disso, agora passamos uma média de quatro horas por diia em nossos telefones, a maior parte desse tempo gasta em mídias sociais.

Consumo médio e previsões

De acordo com um relatório recente do consumidor encomendado pela empresa de hardware de rede Ericsson, o proprietário médio de smartphones nos EUA atualmente usa cerca de 8 GB de dados por mês. A empresa espera que esse número aumente até 200 GB por mês até 2025. Os dispositivos móveis provavelmente não se parecerão mais como são agora: da mesma forma que usar um smartphone para acessar a web em 2019 não é como usar um laptop para ficar online era em 2003; ou como um desktop era em 1993; é possível que um paradigma completamente novo seja inventado para o nosso futuro móvel super-rápido. O futuro da web provavelmente será cada vez mais móvel, mas provavelmente não será dominado pelos dispositivos de hoje.

O futuro é 5

Atualmente, as redes sem fio 5G são implantadas em todo o mundo, com a promessa de downloads maiores que 1 GB por segundo. Em comparação com o LTE, que atinge cerca de 25 Mbps nos EUA. As 5G são conexões tão herméticas que parecem que você está na mesma sala que alguém a milhares de quilômetros de distância. É fácil ver como a Internet pode progredir a partir de suas raízes simples, mas não de que forma ela assumirá.

É possível que a próxima iteração da Internet, com tecnologia 5G, possa introduzir alguns cenários fantásticos: cirurgias realizadas remotamente em tempo real; frotas de caminhões autônomos, todos monitorados de longe; óculos de realidade aumentada que cobrem informações holográficas à nossa frente à medida que avançamos pelo mundo; computadores hospedados na nuvem.

Por enquanto, esses ainda são sonhos falsos. Enquanto a tecnologia é lançada, sua adoção será lenta e sem garantias de que a infraestrutura atinja o mesmo nível de laboratório. Mas então, as pessoas provavelmente disseram as mesmas coisas sobre as primeiras mensagens enviadas pela UCLA no início dos anos 70.

Traduzido e adaptado de Quartz. From dial-up to 5G: a complete guide to logging on to the internet. MURPHY, Mike. Disponível em: <https://qz.com/1705375/a-complete-guide-to-the-evolution-of-the-internet/?utm_source=The+Hack&utm_campaign=6890793edd-THE_HACK_0177&utm_medium=email&utm_term=0_060634743e-6890793edd-206979693>. Acesso em: 7 dez. 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *